home
listar posts
fale conosco
Entrevista com Paulo Pereira - SimpoRI 2015
Publicado em 16/11/2015 às 16:49

Prof. Dr. Paulo Pereira (PUC-SP) fala sobre a militarização do espaço urbano e impacto da guerra às drogas na política sul-americana.

Entrevista com Janina Onuki - SimpoRI 2015
Publicado em 16/11/2015 às 16:45

Prof.ª Dr.ª Janina Onuki (IRI/USP) faz reflexão sobre a Política Externa Brasileira em tempos de crise.

 

Entrevista com Margaret Hayes - SIMPORI 2015
Publicado em 09/11/2015 às 19:00

No primeiro dia do SIMPORI-2015, a professora Profa. Margaret Hayes, da Georgetown University, comentou sobre a reaproximação dos EUA com Cuba e as consequências deste processo para a América Latina. 

A professora participou da mesa redonda, intitulada "Relações Hemisféricas dos Estados Unidos: dilemas e perspectivas", com a participação dos professores Cristina Pecequilo (UNIFESP), Cristina Pacheco (UEPB/INCT-INEU) e Luís Fernando Ayerbe (UNESP), como coordenador. 

 

 

 

[Dica] Mega promoção da Editora Unesp de 3 a 14 de novembro!
Publicado em 15/10/2015 às 16:17

A Editora Unesp anunciou que entre 3 e 14 de novembro, mais de 150 de seus títulos estarão com desconto de até 80%. As obras custarão  R$ 5, R$ 10, R$ 20 e R$ 30 somente na Livraria Unesp, que funciona no térreo do prédio do Programa San Tiago Dantas (Praça da Sé, 108) onde ocorrerá o SimpoRI. 

Para mais informações, clique aqui.

Novo minicurso no SimpoRI 2015
Publicado em 15/10/2015 às 16:10

O SimpoRI 2015 oferece um terceiro minicurso: Política Internacional Africana, com o Prof. Macote Ambrozio da Universidade de Utah.

O curso procura identificar as tendências fundamentais que moldaram o passado da África e levaram o continente à posição atual no sistema político internacional. Ao invés de abordar as questões estritamente comparativas do sistema político africano, o curso examinará estrutura política e económica da África no âmbito nacional e internacional.  O foco principal do curso é sobre as relações internacionais entre a África e o mundo, enfatizando a resposta da África ao seu estatuto internacional. 
 
Como os demais minicursos, as aulas do Prof. Ambrozio ocorrerão durante os três dias do simpósio no período da manhã e a inscrição custa R$ 50 extra o valor do SimpoRI.
 
Para inscrever-se nesse minicurso, é preciso acessar e preencher o formulário.
 
Para informações sobre os dois outros minicursos, clique aqui.
Novo prazo para envio de trabalho completo
Publicado em 30/09/2015 às 15:58

 

Inscreva-se para os minicursos do SimpoRI 2015
Publicado em 28/09/2015 às 14:43

Estão abertas as inscrições para os minicursos oferecidos pelo SimpoRI 2015! Os minicursos ocorrerão durante os três dias do simpósio no período da manhã e sua inscrição custa R$ 50 extra o valor do SimpoRI. Para mais informações, clique aqui.

Para inscrever-se nos minicursos, clique nos links abaixo:

Regionalismo Comparado, com o Prof. Haroldo Ramanzini Júnior (UFU)

Segurança Energética e Ordem Mundial, com a Prof.ª Solange Reis (INCT-Ineu)

Atenção: os minicursos ocorrerão simultaneamente, o que inviabiliza a participação em ambos.

As vagas são limitadas!

Programação Geral do SimpoRI 2015
Publicado em 25/09/2015 às 20:38

PROGRAMAÇÃO DO SIMPORI 2015 - SIMPÓSIO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RELAÇÕES INTERNACIONAIS do

PROGRAMA “SAN TIAGO DANTAS”

(UNESP, UNICAMP, PUC-SP)

GOVERNANÇA GLOBAL: transformações, dilemas e perspectivas

Local: Sede do PPGRI STD - Praça da Sé, 108 (3º andar) - São Paulo/SP

 

 

Espaços: 1º andar (auditório CEDEM)

    3º andar (hall, salas 1, 2 e 3)

    4º andar (sala de defesa do IPPRI)

    7º andar (auditório UNESP e anexo)

 

 

Segunda-feira (09/11)

 

9h – Início do credenciamento (8º andar).

10h às 12h – Mesas dos Grupos de Pesquisa do PPGRI STD. (1º, 3º e 7º andares)

12h às 14h – Almoço

14h às 16h – Mesas dos Grupos de Pesquisa do PPGRI STD. (1º, 3º e 7º andares)

14h às 17h – Credenciamento e coffee break. (7º andar).

17h às 18h – Lançamento de livros. Auditório UNESP (7º andar).

18h às 18h30 – Boas-vindas com os coordenadores dos PPGRI STD e da UERJ. Auditório UNESP (7º andar).

18h30 – Conferência de Abertura. Auditório UNESP 7º andar).

20h30 – Coquetel. Anexo (7º andar).

 

 

Terça-feira (10/11)

 

08h às 10h – Mini-cursos (3º e 7º andares).

        Credenciamento: Anexo (7º andar).

10h às 12h – Mesa Redonda. Auditório UNESP (7º andar).

12h às 13h30 – Almoço.

14h às 16h – Mesa redonda. Auditório UNESP (7º andar).

16h – Coffee break. Anexo (7º andar).

        Credenciamento. Hall Dantas (3º andar).

16h15 às 18h15 – Apresentações de trabalhos. (3º e 4º andares).

18h30 às 20h30 – Apresentações de trabalhos. (3º e 4º andares)

 

 

Quarta-feira (11/11)

 

08h às 10h – Mini-cursos (3º e 7º andares).

        Credenciamento: Anexo (7º andar).

10h às 12h – Mesa Redonda. Auditório UNESP (7º andar).

12h às 13h30 – Almoço

13h30 às 16h – Apresentações de trabalhos. (1º, 3º, 4º e 7º andares).

16h – Coffee break. Anexo (7º andar).

        Credenciamento. Hall Dantas (3º andar).

16h15 às 18h15 – Apresentações de trabalhos. (3º e 4º andares).

18h30 às 20h30 – Apresentações de trabalhos. (3º e 4º andares)

 

 

Quinta-feira (12/11)

 

08h às 10h – Mini-cursos (3º e 7º andares).

        Credenciamento: Anexo (7º andar).

10h às 12h – Mesa Redonda. Auditório UNESP (7º andar).

12h às 13h30 – Almoço

13h30 às 16h – Apresentações de trabalhos. (1º, 3º, 4º e 7º andares).

16h – Coffee break. Anexo (7º andar).

        Credenciamento. Hall Dantas (3º andar).

16h15 às 18h15 – Apresentações de trabalhos. (3º e 4º andares).

 

 

Novos prazos e dados bancários para pagamento!
Publicado em 17/09/2015 às 19:20

Tivemos um problema técnico com nossa a conta bancária, motivo pelo qual pedimos para que os inscritos NÃO façam mais o depósito na conta indicada no edital. Os que já o fizeram, fiquem despreocupados, pois esse problema NÃO invalidará sua inscrição. O alerta é para quem ainda não fez o pagamento.

Além disso, o prazo final para pagamento com desconto também foi alterado.

 

Divulgação dos resumos aprovados!
Publicado em 14/09/2015 às 20:38

A Comissão Organizadora do SimpoRI 2015 já divulgou o resultado da análise das propostas para o evento deste ano via e-mail. Confira sua caixa de entrada!

Os trabalhos completos devem ser enviados em formato .pdf e nas especificações que constam no edital para contato.simposiostd@gmail.com, assim como os comprovantes de pagamento.

Baixe o aplicativo do SimpoRI
Publicado em 03/09/2015 às 21:26

Já conhece o aplicativo do SimpoRI? É possível baixá-lo em: http://app.vc/simpori.

iOS:

 

1. Clique no link acima;

2. Clique em "Download app";

3. O aplicativo será aberto no Safari. Clique nesse botão (retângulo com a seta para cima) para a instalação;

Clique em "Adicionar à tela inicial" para finalizar a instalação.

 

Android:

 

1. Clique no link acima;

2. Clique em "Download app";

3. Se o download não começar, vá até "Configurações>Segurança" e libere a instalação de fontes desconhecidas;

4. Abra a borra de notificações e clique no arquivo quando o download estiver completo. Clique em "Instalar"

 

Windows Phone:

 

1. Clique no link acima;

2. Clique em "Download app";

3. O aplicativo será aberto no Internet Explorer. Clique nesse botão (reticências) para a instalação;

Clique em "Pin to start" para fazer o download.

Pagamento das inscrições do SimpoRI 2015
Publicado em 10/08/2015 às 13:54

Inscreva-se para o SimpoRI 2015
Publicado em 04/05/2015 às 10:08

 

UPDATE:

ATENÇÃO!

Prazo para submissão de propostas prolongado até o dia 10 de agosto de 2015.

 

Estão abertas as inscrições para a edição 2015 do SimpoRI!

Para inscrever-se como ouvinte, clique aqui.

Para inscrever-se como apresentador de trabalho, clique aqui (PRAZO ENCERRADO).

Para inscrever-se como coautor, clique aqui (PRAZO ENCERRADO).

Para dúvidas, acesse o edital, ou entre em contato através de contato.simposiostd@gmail.com

 

 

 

 

 

 

Edital e cronograma do SimpoRI 2015
Publicado em 23/04/2015 às 13:53

Para acessar o edital da edição de 2015 em português, clique aqui.

Para acessar o edital da edição de 2015 em espanhol, clique aqui.

Para acessar o edital da edição de 2015 em inglês, clique aqui.

 

Discentes e docentes do San Tiago Dantas na Semana de R.I. da Unesp
Publicado em 13/08/2014 às 13:28

 

 

 

 

 

 

Representantes dos corpos discente e docente do PPGRI San Tiago Dantas encontram-se em Franca para participar da XII Semana de Relações Internacionais da Unesp, que acontece entre os dia 11 e 15 de agosto de 2014.

Os professores Gabriel Cepaluni, Karina Pasquariello Mariano, Luis Fernando Ayerbe, Marcelo Fernandes, Marcelo Mariano, Samuel Soares e Tullo Vigevani participam das mesas-redondas.

A seguir, os mini-cursos ministrados pelos discentes do Programa:

O Tráfico de Drogas e Segurança na América Latina, por Priscila Vilella e Leandro Santos;

Conflito e Paz entre Israel e Palestina, por Luciana Saab;

A UNASUL: Origens e VIsões de Argentina, Brasil e Venezuela, por  Livia MIlani, Matheus Oliveira e Lis Barreto;

Política Comercial Norte-Americana: Instituições, Modelos e Análise de Casos Recentes, por Daniel Martins, Rodrigo Cézar e Camilla Geraldello.

 

Mais informações sobre o evento podem ser encontradas no site http://semanaderiunesp.wix.com/franca e na página do Facebook https://www.facebook.com/unespsemanaderi.

PUC-SP promove Seminário de Ciências Sociais
Publicado em 11/08/2014 às 22:51

 

 

 

 

 

A Pontifícia Universidade Católica de São Paulo promove entre os dias 3 e 4 de novembro de 2014 seu Seminário de Ciências Sociais sob a temática "Mídia, Política e Eleições". Resumos para possíveis publicações poderão ser enviados até o dia 14 de setembro.

Para mais informações, acesse o site do evento: http://midiapoliticaeleicoes.wordpress.com.

Prof. Reginaldo Moraes escreve sobre a política brasileira de ensino superior
Publicado em 25/07/2014 às 12:07

 

Em artigo publicado no site Brasil Debate, o professor do Programa de Pós-Graduação San Tiago Dantas Reginaldo Moraes traz uma visão crítica sobre as políticas para o ensino superior no Brasil.

Confira o texto na íntegra em: http://brasildebate.com.br/uma-politica-de-educacao-para-fazer-outro-pais/

Sua pesquisa no blog do Dantas: Rafael Murgi
Publicado em 22/07/2014 às 13:45

"A internacionalização de empresas brasileiras na América do Sul: impactos da política externa recente e da integração regional”

Rafael Murgi 

Orientador: sebastião Velasco Cruz

 
- Apresente a sua pesquisa.
 
Minha pesquisa visa a avaliar o impacto da política externa recente e da integração regional sobre a internacionalização de empresas brasileiras na América do Sul.
 

- Qual é seu principal objetivo?

Verificar o papel da política externa recente sobre a internacionalização da economia brasileira em âmbito regional, com foco na integração regional e nos instrumentos governamentais disponíveis para auxilar as empresas brasileiras no processo.

 

- Qual é a contribuição a ser dada por sua pesquisa?

O estudo e compreensão de dois temas estratégicos da atual política externa brasileira, o apoio à internacionalização da economia brasileira e a promoção da integração regional sul-americana, são extremamente importantes para a avaliação da atual situação e das possibilidades de expansão de empresas brasileiras na América do Sul. 

 

- Quais são suas principais dificuldades e viabilidades?

As principais dificuldades estão relacionadas à obtenção de informações oficiais sobre destinos e setores dos investimentos diretos do Brasil no exterior. 

 

 
Insight Dantas: Política Econômica do Governo Obama e o Teto da Dívida Pública
Publicado em 01/07/2014 às 18:45

Rodrigo Fagundes Cézar, mestrando pelo PPGRI San Tiago Dantas, fala sobre a política econômica do Governo Obama e o aumento do teto da dívida pública americana.

 

O Insight Dantas é um espaço para você falar rapidamente sobre um tema de interesse público. Quer participar? Entre em contato conosco através do e-mail blogstd2013@gmail.com.

Sua pesquisa no blog do Dantas: Camilla Geraldello
Publicado em 27/06/2014 às 17:00

Medidas Antidumping e Barreiras Fitossanitárias: ações contra práticas desleais sendo aplicadas de formas desleais pelos EUA?

Camilla Silva Geraldello

 

- Apresente a sua pesquisa.

            Bom, minha pesquisa é um estudo de caso sobre um tema de política externa comercial dos EUA: a adequação das decisões estadunidenses às normas internacionais nesse campo e o motivo pelos quais tais decisões são tomadas, buscando compreender se os EUA estão tentando mudar as normas internacionais de comércio indiretamente. Parafraseando dois grandes professores do STD, como não dá para fazer uma dissertação sobre Deus, a pesquisa de meu mestrado é analisa a adequação da política externa comercial estadunidense às normas internacionais e sua motivação relacionada ao setor citrícola. Então, iremos analisar se o modo como os EUA aplicam medidas protecionistas, no caso medidas antidumping e fitossanitárias, sobre a importação de suco de laranja brasileiro está de acordo com as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC) e o motivo pelo qual o país aplica tais medidas (por que ele deseja proteger este setor?). Com a análise deste caso juntamente com uma descrição de outros casos nos quais os EUA utilizaram medidas protecionistas fora dos padrões permitidos poderemos tentar compreender se os EUA estão buscando mudar o regime internacional de comércio indiretamente.

 

- Qual é seu principal objetivo?

            No momento se resume nestas perguntas: por que os EUA estão dispostos a aplicar formas de protecionismo como as medidas fitossanitárias? Seria este um novo padrão comportamental político e institucional estadunidense? Quais os efeitos dessa forma de protecionismo a liberalização do comércio internacional agrícola? Os EUA estariam com isso buscando transformar as regras do comércio internacional, realizando protecionismo e ao mesmo tempo tentando obedecer a legislação internacional pró liberalização do comércio internacional?

 

- Qual é a contribuição a ser dada por sua pesquisa?

            A principal contribuição gira em torno da análise pouco explorada na área de RI de contenciosos comerciais sobre antidumping. A medida, mais estudada em economia, era considerada técnica e não política, todavia, na pesquisa demonstramos que na verdade ela também é uma medida política, haja vista os EUA utilizarem-se de metodologias viciadas para seu cálculo. Logo, surge uma contribuição resultante desta, seria este um novo padrão comportamental político e institucional estadunidense?

 

- Quais são suas principais dificuldades e viabilidades?

            As dificuldades e viabilidades estão relacionadas: o estudo é possível na medida em que existam fontes disponíveis e confiáveis; e a dificuldade seria encontrar tais fontes. Contudo, até agora as estou encontrando.

Sua pesquisa no Blog do San Tiago Dantas: Daniel Coronato
Publicado em 20/05/2014 às 13:05

 A República Oriental do Uruguai e a Política Externa do Brasil no Prata: 

(1828-1864)

Daniel Coronato é Doutorando pelo PPGRI San Tiago Dantas

 

- Apresente a sua pesquisa.

O trabalho tem como proposta estudar as relações do Império do Brasil com o Uruguai entre 1828-1864 (do fim da Guerra da Cisplatina até a Guerra do Paraguai). O momento é especial porque reúne ao mesmo tempo o processo de consolidação interna do regime monárquico e a inserção internacional do Império na região do Prata. Dentro da proposta de investigação, a hipótese principal é que o Brasil, apesar de conviver com uma dependência estrutural durante todo o período monárquico, revelando uma face submissa às forças centrais, especialmente ao capital e poder britânico, conseguiu garantir uma inserção relativamente autônoma perante as questões envolvendo a região platina, especialmente sobre o território do atual Uruguai. A importância chave do Uruguai para a compreensão da atuação brasileira se daria pela sua posição singular no desenho do subsistema platino: o pequeno estado criado a partir da mediação inglesa após a campanha da Cisplatina (1825-1828) entre os dois gigantes da região, o Império do Brasil e as Províncias Unidas do Rio da Prata, tornou-se pivô permanente da política regional, servindo como uma peça essencial na manutenção da estabilidade e da paz. O Uruguai seria, assim, crucial para a preservação do equilíbrio entre as potências regionais, e sofreu enorme influência da diplomacia brasileira sobre seu destino, se transformando em um interlocutor prioritário da ação do Brasil na região.

- Qual é seu principal objetivo?

O principal objetivo é relacionar o processo de consolidação do regime monárquico com a inserção internacional no Prata. Para isso, vou analisar as relações bilaterais Brasil-Uruguai antes e depois da pacificação interna, tentando demonstrar que por conta das alterações internas foi possível ao Império criar e manter para si um equilíbrio favorável na região. Dessa forma será necessário mapear o desenvolvimento da história diplomática brasileira com o Uruguai no período de 1828-1864; articular o processo de inserção no Prata antes e após a consolidação interna com as relações à República Oriental do Uruguai; e por fim problematizar o modelo dessa inserção para a formação histórica da região platina. 

 

- Qual é a contribuição a ser dada por sua pesquisa?

A maior contribuição do trabalho está na inexistência de uma obra sobre as relações bilaterais dos dois países durante o recorte proposto, normalmente preterido por visões sistêmicas ou opções pelos atores de maior expressão, como a Argentina e o Paraguai. O trabalho também pretende contribuir para as pesquisas históricas das relações internacionais do Brasil, e possibilitar uma maior compreensão à Política Externa do período Imperial, normalmente negligenciado como objeto prioritário de análise.

 

- Quais são suas principais dificuldades e viabilidades?

Como toda pesquisa histórica, as fontes de pesquisa são uma questão absolutamente essencial. A grande dificuldade encontrada é tanto levantar e mapear toda a bibliografia especializada possível (levando em conta a necessidade de uma ampla pesquisa internacional) quanto à realização da análise documental de fontes dos governos brasileiros, uruguaios e argentinos em tempo hábil. 

 
Quer ver sua pesquisa em nosso blog? envie um e-mail para blostd2013@gmail.com
Nosso Professor Emérito, por Camilla Geraldello
Publicado em 19/05/2014 às 13:56

            A última terça-feira do mês de abril deste ano, dia 29, ficará marcada na carreira do Professor Tullo Vigevani pelo recebimento do título de "Professor Emérito" da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (Unesp), concedido pela Congregação da Faculdade de Filosofia e Ciências - Marília. De acordo com a Assessoria de Imprensa do IPPRI (Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais), "a honraria é conferida a professores aposentados que se destacaram em sua área de atuação, pela relevância de sua produção e atividade científica. É uma importante láurea outorgada no meio acadêmico" (IPPRI, 2014).

            Falar da importância e da atuação do Professor Tullo na área de Relações Internacionais no Brasil parece até redundância: o Professor foi um dos responsáveis pela consolidação da área no Brasil na década de 1980 e pela expansão da pesquisa e da expansão da pós-graduação em Relações Internacionais na década de 2000. Após ter ficado exilado na Itália devido a perseguição da Ditadura Militar, o Professor, especializado em Relações Internacionais com foco na política externa brasileira, começa a dar aulas na Universidade Metodista, na Escola de Sociologia e Política e na Pontifícia Universidade Católica (PUC)-SP, trabalhando com temas latino-americanos. Em 1987, ingressa na Unesp, local em que trabalharia 26 anos como professor em regime de dedicação exclusiva e trabalhando desde 2012 como professor voluntário.

            Desde a década de 1980, desenvolve pesquisas e atividades no Cedec (Centro de Estudos de Cultura Contemporânea) junto do qual foi consolidando sua trajetória na pesquisa em Relações Internacionais. Como descrito em seu currículo, entre 1988 e 2011 coordenou 9 projetos de pesquisa e atualmente coordena 4 projetos. Em 2002, ao lado de professores da Unicamp e PUC-SP, foi um dos idealizadores e responsáveis pela institucionalização do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas, do qual já foi coordenador. Também foi idealizador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre os Estados Unidos - INCT-INEU, o qual iniciou suas atividades em 2008, com auxílio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), e hoje é um dos mais importantes centros de pesquisa em Relações Internacionais brasileiro. Assim, "a articulação de grupos e redes de pesquisadores é uma das principais contribuições Tullo Vigevani para o atual momento de Relações Internacionais no Brasil" (UNESP CIÊNCIA, 2010).

            Além da pesquisa, ensino e extensão em Relações Internacionais, destacamos também as diversas atividades de gestão acadêmica das quais o Professor Tullo já participou: foi diretor da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp de 2004 a 2008; Conselho Deliberativo do Cedec; diretor da Associação Brasileira de Relações Internacionais (ABRI); vice-presidente do Fórum Universitário do Mercosul (Fomerco); Membro da Coordenação de Ciências Humanas e Sociais da Diretoria Científica da FAPESP, a partir de 2007; Membro Titular do Comitê de Assessoramento de Antropologia, Arqueologia, Ciência Política, Direito, Relações Internacionais e Sociologia (CA-CS) do CNPq, de 2010 a 2013; e Membro do Comitê Acadêmico de Honra da Coordinadora Regional de Investigaciones Económicas y Sociales (CRIES), Buenos Aires, a partir de 2013.

            Até esta data, o Professor Tullo já publicou 133 artigos em periódicos especializados, 51 capítulos de livros e 14 livros. Orientou nas áreas de relações internacionais e ciência política 18 trabalhos de iniciação científica, 16 dissertações de mestrado e 7 teses de doutorado, além de ter 3 orientações no doutorado e 4 orientações no mestrado em andamento, nas quais me incluo. Espero ter conseguido em tão pouco espaço resumir carreira tão grande e produtiva e mostrar como o título é um reconhecimento desta. Parabéns, nosso Professor Emérito!

 

Camila Geraldelo é mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais "San Tiago Dantas", UNESP, UNICAMP, PUC/SP sob a orientação de Tullo Vigevani. Graduada em Relações Internacionais pela FFC-Unesp/Marília, membro da Secretaria da Redação da Brazilian Journal of International Relations (BJIR), pesquisadora do Instituto de Gestão Pública e Relações Internacionais (IGEPRI) e membro do Observatório da Gestão Pública de Marília e do Grupo de Estudos em Organizações Internacionais (GEO).

 

 

Referências

IPPRI, 2014. "Cientista político Vigevani recebe título de Professor Emérito". Notícias. Disponível em <http://www.ippri.unesp.br/#!/noticia/182/cientista-politico-vigevani-recebe-titulo-de-professor-emerito/>.

UNESP CIÊNCIA, 2010. "Tullo Vigevani: para entender o Brasil e o mundo". Perfil. Disponível em <http://www.unesp.br/aci_ses/revista_unespciencia/acervo/13/perfil>.

Entrevista com a doutoranda Bárbara Motta: "A intervenção dos EUA no Iraque é um caso emblemático de securitização"
Publicado em 16/05/2014 às 19:38

Bárbara Motta, mestre e doutoranda pelo PPGRI San Tiago Dantas fala ao blog sobre o conceito de securitização e a questão do Iraque na política externa dos EUA. No fim, ainda tem uma dica!

Os Cincos Eixos da Política Exterior Argentina: Prof. Dr. Alejandro Simonoff
Publicado em 13/05/2014 às 19:34

Professor de Relações Internacionais da Universidad Nacional de La Plata, na Argentina, Alejandro Simonoff fala ao Blog do San Tiago Dantas. Na entrevista, trata de temas atuais da Política Externa Argentina e do conceito de autonomia.

Sua Pesquisa no Blog do San Tiago Dantas: Priscila Villela
Publicado em 12/05/2014 às 15:16

Priscila Villela, mestrando pelo PPGRI San Tiago Dantas

 

 

O tráfico de drogas: Uma ameaça à segurança internacional do Brasil 

 
 
 
 
Apresentação da pesquisa:
Estudo o tema das drogas como ameaça à segurança internacional do Brasil, com um destaque específico à mudança de postura do Brasil com relação ao tema a partir de 1990, no sentido de um maior endurecimento do combate ao tráfico de drogas. 
 
Qual é seu principal objetivo?
O objetivo central de minha pesquisa pesquisa é identificar a mudança de postura do Brasil com relação ao tema das drogas a partir dos anos 1990. A hipótese desta pesquisa é a de que a inserção internacional do Brasil neste período passa pelo reconhecimento de questões de segurança que vinham sendo definidas internacionalmente em razão do regime de proibição das drogas que consolidado pela ONU, das pressões norte-americanas sobre a América Latina para a militarização da "guerra às drogas", e pela mudança nas dinâmicas do próprio crime organizado que fortaleceram suas dimensões transnacionais. O objetivo deste trabalho é identificar qual destes fatores foi o mais importante para a internacionalização do tema das drogas na agenda de segurança do país e quais foram seus efeitos sobre as políticas sobre drogas no Brasil.
 
Qual é a contribuição a ser dada por sua pesquisa?
Espero, com minha pesquisa, compreender como o tema do tráfico de drogas se encaixou nas diretrizes da Política Externa do Brasil e problematizar a opção do país em aderir à perspectiva, internacionalizada pelos Estados Unidos e formalizada nas convenções da ONU, de que as drogas são um assunto que deva ser tratado no âmbito da segurança, colocando em debate, por exemplo, o emprego das Forças Armadas nestas atividades. Espero com a pesquisa poder influenciar o debate público sobre as políticas de segurança e drogas no Brasil. 
 
Quais são sua principais dificuldades e viabilidades?
A principal dificuldade em trabalhar um tema ilegal e tão moralmente condenável como o tráfico de drogas é a imprecisão dos dados disponíveis. Soma-se a isso, a dificuldade de acesso a informações nas Forças Armadas e no Itamaraty, instituições muito fechadas. Apesar de ser um tema "em alta", a literatura sobre o tema no Brasil ainda está se consolidando, o que, ao mesmo tempo que representa dificuldades, abre um leque de possibilidades e oportunidades muito boas para a pesquisa. 
 
 
Quer ver sua pesquisa no Blog também? É só nos enviar um e-mail: blogstd2013@gmail.com.
Uma breve reflexão sobre "somos todos macacos"
Publicado em 06/05/2014 às 13:50

Carolina Ferreira Galdino -doutorando pelo PPGRI STD “Somos todos macacos”. Esse foi o principal posicionamento difundido nos últimos dias através das redes sociais, em resposta aos atos de racismo ocorridos no meio esportivo. O debate acerca da questão étnico-racial requer, antes de tudo, a capacidade de lidar com alguns elementos, tais como: bom senso e empatia.

O bom senso nos ajuda a pensar politicamente a sociedade na qual estamos inseridos, pois ele, o bom senso, parece há muito ter sido perdido e, a sua falta, contribuiu para que estagnássemos no processo de evolução, não da espécie, mas sim, no processo de evolução social.

Não “somos todos macacos”, o que ocorre é que infelizmente fomos e somos lapidados de forma tal, que a inabilidade de lidar com o outro, de aceitar as diferenças se perpetua. Se faz necessário lembrar que o racismo visa legitimar a distribuição desigual do poder, e, uma vez enraizada no tecido social, tal inabilidade manifesta-se por meio de práticas simbólicas, não simbólicas, materiais ou subjetivas que nunca deixam de estar presentes nas sociedades.

O conceito de raça surgiu em referência ao reino animal, para categorizar, fixar artificialmente as características e linhagens dos animais, razão pela qual, a ciência moderna desconsidera a atribuição de tal conceito ao ser humano.  Desde o início do século XX, o conceito de raça foi substituído pela ideia de etnia – conceito de grupos étnicos (quando a cultura é partilhada por um grupo de indivíduos).

Ao lidarmos com a temática do racismo, emergem de forma cristalina a realidade, as diferenças existentes na sociedade, e os dados empíricos nos comprovam isso. Uma análise comparada das últimas três décadas, por exemplo, é capaz de demonstrar a dinâmica do racismo na sociedade brasileira.  Evidentemente a nossa sociedade não é igualitária e, em nenhum momento foi (re)edificada para tal.

A empatia e o bom senso devem ser trabalhados em sua essência, para possibilitar que cada indivíduo possa refletir sobre a temática racial em nosso país e em seu próprio cotidiano. Em linhas gerais, a ideia de “somos todos macacos” é, na verdade, uma agressão à boa parte da população brasileira, que além de ser afro-descendente encontra-se imersa em uma profunda distribuição não equânime de poder.

Duas questões nos permitem compreender o teor agressivo da ideia “somos todos macacos”, a primeira relativa ao estereótipo; a segunda de caráter político, em um país onde não inexiste igualdade de oportunidades.

A falta de igualdade de oportunidades não permeia somente a questão racial, abarca também outras esferas, como: gênero e diversidade sexual. Quantitativamente, no âmbito da representação política (escopo federal, estadual e municipal, ainda que analisados separadamente), como anda a representatividade da população negra? Como anda a representatividade da população indígena? E as mulheres? E os homossexuais? E as minorias que pouco são lembradas? Até que ponto todos os grupos aqui elencados participam efetivamente do poder a ponto de tornar a distribuição do mesmo igualitária e, com isso, propiciar o combate à intolerância e trabalhar em prol das demandas específicas destes grupos?

Diante dos episódios de racismo no meio esportivo foi possível observarmos um intenso posicionamento da sociedade relativamente a um fato que sempre existiu. O racismo não é algo próprio da atualidade. Sempre existiu, e mais, vai para além da esfera esportiva, aliás, talvez, esta seja a esfera menos complexa para se lidar com o racismo, pois, o cotidiano do cidadão médio é o de convivência constante com tal prática com o adendo de estar fora das situações de poder e visibilidade. O racismo está presente no cotidiano tanto de quem o pratica como de quem sofre o racismo.

As manifestações de repúdio ao episódio (ocorrido no último domingo) paradoxalmente não se fazem presentes, por exemplo, nos debates referentes à implementação de políticas públicas que possam minorar o abismo da desigualdade no Brasil. E mais, tais posicionamentos mostram-se inexistentes quando o debate refere-se à participação de afro-descendentes e também de indígenas no cenário político brasileiro.

Por que seria importante a participação de negros e índios nos cargos de liderança no cenário político? A resposta é simples, representatividade. O que parece é que a sociedade brasileira sofre de uma espécie de lapso histórico ao deixar de lado este segmento da sociedade. O cerne da questão “somos todos macacos” reside no fato de que um indivíduo caucasiano jamais será comparado e jamais lhe serão atribuídos estereótipos de cunho pejorativo que possam diminuí-lo socialmente. Embora objetivando demonstrar solidariedade e senso de unidade “somos todos macacos” demonstra o quão o racismo encontra-se arraigado em nossa sociedade. Se “somos todos macacos”, pensando a utilização de tal argumento sem intenção ofensiva (como se propôs, ao ser difundido), é possível nos indagarmos: por que não “somos todos macacos” para usufruir dos benefícios de uma boa e igualitária distribuição de renda, de poder, e também visibilidade midiática?

A empatia, a sensibilidade para lidar com o debate étnico racial consiste em considerar a alteridade como fator propulsor de uma nova forma de pensar a sociedade, ou seja, privilegiando as relações simétricas de poder. A sensibilidade se impõe como elemento sine qua non também para considerarmos as especificidades sociais dos indivíduos. É necessário termos em mente que, por mais brilhante que seja o discurso contrário às manifestações de intolerância, a prática do racismo sempre existirá de forma velada ou não. É necessário pensarmos de forma realista, deixando de lado qualquer utopia que impossibilite a implementação de práticas efetivas de combate ao racismo. As políticas públicas, por exemplo, são capazes de inserir e/ou viabilizar uma sociedade menos desigual. Mas para isso, a representatividade de todos os grupos que compõe a sociedade é fundamental.

Em suma, politicamente a questão que deveria vir à tona, que deveria ser centro de debate para a construção de uma sociedade mais igualitária é a representatividade, relativamente à questão social é a alteridade que deveria ocupar o centro das atenções, pois, somente nos vendo no outro e procurando compreender suas peculiaridades históricas e sociais é que podemos contribuir com a “retomada” do processo de evolução da sociedade.

 

Carolina Ferreira Galdino- Doutoranda pelo PPGRI STD

O petróleo e as Relações Internacionais
Publicado em 02/04/2014 às 15:20

Em entrevista para o Blog Simpósio RI, Igor Fuser, que realizou seu mestrado no Programa de Relações Internacionais San Tiago Dantas e é professor da Universidade Federal do ABC (UFABC), fala sobre suas pesquisas que relacionam os Estados e fontes de energia, como o petróleo. A guerra do Iraque, a crise política entre Bolívia e Brasil, durante o governo do presidente Lula, e a crise econômica e política da Venezuela foram abordados na entrevista conduzida pela mestranda do programa, Sara Toledo.

Ao avaliar a crise venezuelana, Fuser diz que o conflito não se define na luta contra uma suposta ditadura de Maduro, mas sim por interesses diferentes de grupos sociais. "A Venezuela não é uma ditadura, como a imprensa quer nos fazer acreditar!", destacou Fuser.

 

Confira:

Metodologia de Pesquisa - Qualitativa x Quantitativa
Publicado em 21/01/2014 às 14:05

A pesquisadora Sara Toledo, do Programa de Pós Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas, entrevista o professor Gabriel Cepaluni, da Unesp de Franca e do programa. Cepaluni fala das diferenças entre metodologias qualitativas e quantitativas, tema de sua disciplina na pós-graduação. O professor ainda faz comentários sobre a pesquisa em RI no país, tomando como ponto de partida de seu percurso acadêmico.

 

Ao mestre com carinho: Mandela
Publicado em 06/12/2013 às 15:25
A história é marcada por homens que em sua particularidade se distinguem da massa homogênea de indivíduos que viviam em sua época, seja na ciência, na arte ou na política, figuras de extrema significância para o legado humano-universal são lembradas pelos seus feitos peculiares justamente por serem universais, e por isso, merecem destaque na história. A mediocridade não escreve história, ou melhor, embora os homens façam a história, mesmo sendo medíocres, apenas quem contribui para o seu enriquecimento enquanto produtores de idéias ou feitos são aqueles que pela sua grandiosidade inauguram certa distinção ao legado passado, de certa forma, contrapondo-se ao prosaísmo de sua época. 
 
Nelson Mandela acompanha todos os atributos acima e por isso, sem dúvida, jamais será esquecido. A genialidade cristalizada em suas obras não nos deixaria esquecê-lo! O dom de lapidar valores tão fundamentais à humanidade através do exemplo e da coragem é  fascinante na figura dele, que em nome da liberdade e da igualdade passou quase 30 anos na prisão mesmo após quase 40 anos da aclamada Carta de Declaração  dos Direitos Humanos aclamada pela ONU e ironicamente assinada pela Inglaterra.
O papel do indivíduo na história configura-se sem dúvida como matéria fundamental àqueles que se debruçam sobre o estudo das ciências humanas e, nesse sentido, Nelson Mandela demonstrou a importância e a força do indivíduo sob a mudança das circunstâncias e, por isso, merece nossos aplausos!
 
À Mandela, com carinho!
 
por Sara Toledo
Guerra cibernética: um tema polêmico e pertinente, que foi discutido pelo prof. Dr. Clemente Clemente Herrero Fabregat ( Universidad Autónoma de Madrid).
Publicado em 06/12/2013 às 13:55

O prof. Dr. Clemente Clemente Herrero Fabregat fala sobre geopolítica e nos fornece uma verdadeira aula sobre a guerra cibernética e a relavência do tema. O prof. Dr. Marcelo Fernandes PPGRI San Tiago Dantas mediou a mesa

Mesa de abertura do Simpósio
Publicado em 06/12/2013 às 13:50

Publicamos a Mesa de abertura da IV edição de nosso Simpósio. O Prof. Dr. e coordenador por muitos anos do programa faz um balanço e traça perspectivas muito relevantes:

 

Me formei em Relações Internacionais. E agora? Mesa de egressos
Publicado em 06/12/2013 às 13:30

Uma das grandes questões para quem faz a graduação, ou a pós-graduação em Relações internacionais é: mas para onde vou? o que fazer no mercado de traballho? Durante o Simpósio, alguns ex-alunos que se formaram na primeira turma, em 2003, falaram sobre o que aconteceu e também apresentam dicas para quem está ingressando agora. De diplomata a professor universitário...Vale à pena conferir!!

Sem Diplomacia: análises de relevância e inovação!
Publicado em 26/11/2013 às 14:00

O projeto Sem Diplomacia é uma parceria entre O Instituto de Estudos Econômicos Internacionais (IEEI) e a Acessoria de Imprensa da UNESP que tem por objetivo debater temas significativos discutidos´pelas diversas mídias no tocante às questões das relações internacionais e analisar tais questões distanciadas do conteúdo midiático-ideologizado. Extremamente inovador, Para seus criadores:"Nosso objetivo é contribuir para a informação e o debate sobre a conjuntura internacional a partir do registro de visões que por seu teor ideologizado e partidarizado tendem a ficar à margem da divulgação dos grandes meios jornalísticos, justamente porque vão direto ao ponto, sem rodeios, Sem Diplomacia.". O coordenador do projeto é o professor Luis Fernando Ayerbe, pertencente ao PPGRI San Tiago Dantas vinculado a UNESP. Acesse ao site:http://unesp.br/semdiplomacia para maiores informações. Abaixo, a mestranda pelo PPGRI Carolina Pedroso e o doutorando em ciência política pela UNICAMP, Ariel Finguerut, com a mediação do Prof. Luis Fernando Ayerbe.

O Prof. Nasser fala sobre o atentado no Líbano e a crise na Síria.
Publicado em 25/11/2013 às 19:00

No dia 21.11, o prof. do PPGRI Reginaldo Nasser concedeu uma entrevista à TV Estadão e analisa a influência da guerra civil na Síria sobre o Líbano: 

http://tv.estadao.com.br/videos,ATENTADO-NO-LIBANO-E-O-CONFLITO-NA-SIRIA,218455,259,0.htm
O Prof. Luis Fernando Ayerbe fala sobre a relação dos EUA com a América Latina e chama a atenção para o presidente Jonh Kennedy
Publicado em 25/11/2013 às 19:00

John Kennedy foi o último presidente que propôs uma política abrangente entre EUA e América Latina, considera historiador da Unesp
http://podcast.unesp.br/radiorelease-21112013-john-kennedy-foi-o-ultimo-presidente-que-propos-uma-politica-abrangente-entre-eua-e-america-latina-considera-cientista-politico-da-unesp

http://podcast.unesp.br/radiorelease-21112013-john-kennedy-foi-o-ultimo-presidente-que-propos-uma-politica-abrangente-entre-eua-e-america-latina-considera-cientista-politico-da-unesp

 

Debate sobre o livro do Prof. Marco Aurélio Nogueira "As ruas e a democracia"
Publicado em 25/11/2013 às 18:50

O Prof. Marcos Nogueira fala sobre o seu livro , sugere que "Junho de 2013 foi um grito de angústia coletiva, um espasmo, uma manifestação de protesto contra o modo em que se vivia em Saõ Paulo e mais tarde no Rio de Janeiro(...) portanto um protesto contra o modo de vida urbano.(..).é um repúdio contra a política". O tom do prof. é bastante pertinente e estimula a reflexão. Confira o debate sobre o livro abaixo, na íntegra!

Conferência de encerramento conta com a presença do Ministro da Defesa Celso Amorim
Publicado em 18/11/2013 às 16:00

O PPGRI teve o privilégio de receber o atual Ministro da Defesa, Celso Amorim, que esteve por muitos anos frente ao Ministério das Relações Exteriores. Os professores Tullo Vigevani e Hector Saint Pierre também participaram da mesa. O Ministro falou sobre a questão da integração Sul-Americana e chamou a atenção para o papel do Brasil na questão com o Irã. Além disso, respondeu a todas as questões dos convidados e participou do coquetel de encerramento. Um grande orgulho para o nosso Programa!

Entrevista com o Ministro da Defesa Celso Amorim durante a cerimônia de encerramento do Simpósio
Publicado em 18/11/2013 às 15:42

Em entrevista a estudante Laís Thomaz, o Ministro da Defesa do Brasil, Celso Amorim, falou sobre sua atuação frente ao Itamaraty e a Política Externa nos primeiros anos do governo do Presidente Lula. Amorim também apontou a importância de programas de Pós-Graduação, como o San Tiago Dantas, para a formação de profissionais na área de Relações Internacionais.

Entrevista com Tullo Vigevani do PPGRI San Tiago Dantas
Publicado em 14/11/2013 às 15:00

Em entrevista o Prof. Dr. Tullo Vigevani, que esteve a frente do PPGRI San Tiago Dantas por muitos anos como coordenador, fala sobre os 10 anos do programa e busca fazer um balanço de avanços e retrocessos.

Entrevista com o Prof. Dr. Hector Saint Pierre (PPGRI San Tiago Dantas)
Publicado em 14/11/2013 às 14:58
Entrevista com a Profa. Dra. Mirian Saraiva (UERJ)
Publicado em 14/11/2013 às 14:55

A Profa. Dra. Mirian Saraiva fala sobre a parceria UERJ e San Tiago Dantas e a importância e projeção dos SimpoRI

 

Entrevista com os mestrandos da UNB e a importância do intercâmbio de ideias!
Publicado em 13/11/2013 às 00:30

Os estudantes da UNB Giordano Almeida e André Pini, mestrandos em Relações Internacionais conversam sobre a projeção que o estudo das R.Is vem ganhando na atualidade e destacam supostas diferenças entre os cursos de São Paulo e Brasília a partir das influências culturais e, sobretudo, da proximidade da UNB do Itamaraty.

 

Entrevista com o Prof. Reginaldo Nasser: uma verdadeira aula de metodologia!
Publicado em 12/11/2013 às 23:56

No último dia de nosso Simpósio o prof. Dr. Reginaldo Mattar Nasser da PUC-SP, nos presentou com uma entrevista que se configurou como uma verdadeira aula de metodologia para a abordagem das relações internacionais, e que deveria ser vista por qualquer estudante da área. Além dos comentários brilhantes acerca do tema, chama a atenção para a necessidade do diálogo entre a produção  acadêmica e os problemas da atualidade. Por fim,  também nos contou sobre sua trajetória acadêmica e a importância do que denomina de "bom-senso" no estudo das ciências humanas em geral e, particularmente das relações internacionais. Confira abaixo:

 

Entrevista com o professor Tomáz Espósito Neto
Publicado em 12/11/2013 às 23:46

O prof. Tomáz Espósito Neto fala sobre sua formação acadêmica e a vinculação com o PPGRI San Tiago Dantas, assim como a importância do Programa para sua formação. Professor da Universidade Federal de Grande Dourados (MS), Neto é especialistra em Paraguai.Confira a entrevista abaixo:

 

A professora Cristina Pecequillo fala sobre a necessidade de olhar com um novo olhar para os EUA
Publicado em 11/11/2013 às 22:54

A professora  Dra. Cristina Soreanu Pecequilo (UNIFESP) comenta sobre a importância de eventos como o SIMPORI 2013 para a discussão de questões pertinentes ao universo das relações internacionais e, sobretudo, chama atenção para a necessidade da atualização das análises sobre os EUA:

"A gente precisa entender os EUA como eles são e não como nós gostaríamos que ele fosse"

Confira a entrevista na íntegra abaixo:

 

 

 

 

Entrevista com o Prof. Dr. Marcos Ferreira da Costa Lima da UFPE
Publicado em 11/11/2013 às 18:43

Arthur Volpon, mestrando pelo PPGRI San Tiago Dantas entrevista o Prof. Dr. Marcos da Costa Lima sobre a projeção dos estudos das relações internacionais e a problemática acerca disso.

 

Entrevista com a Profa. Dr. Mônica Hirst da Univ. Nac. de Quilmes/MEI-UTDT)
Publicado em 11/11/2013 às 14:50

A professora Dra. Mônica Hirst fala sobre a importância do intercâmbio acadêmico para o aprufundamento da integração regional no Mercosul, particularmente entre Brasil e Argentina.

 

Entrevista com o Prof. Dr. Clodoaldo Bueno do PPGRRI San Tiago Dantas
Publicado em 10/11/2013 às 13:00

O Prof. Dr. Clodoaldo Bueno, professor da UNESP vinculado ao PPGRI San Tiago Dantas fala sobre a importância do Programa e chama a atenção para os grupos de pesquisa vinculados ao San Tiago Dantas, tal como o IEEI e o INEU

 

 

 

 

Entrevista com o Prof. Dr. Antônio Carlos Lessa (UNB)
Publicado em 10/11/2013 às 00:46

O Prof. Dr. Carlos Lessa fala sobre o perfil das pesquisas na área das relações internacionais na atualidade no Brasil, na qualidade de Editor da Revista Brasileira de Política Internacional

Mesa-Redonda: Novos Questões de Política Externa Brasileira
Publicado em 08/11/2013 às 23:00

Anteontem os participantes do Simpósio tiveram o privilégio de assistir à mesa sobre Novos Temas de Política Externa, composta pelos acadêmicos Prof. Dr. Antônio Carlos Lessa, coordenador da Pós-graduação em Relações Internacionais da Universidade de Brasília; Profa. Dra.Mônica Hirst (Universidade Torcuato di Tella) ; Profª Drª. Maria Regina Soares de Lima (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro) e Profª. Drª. Cristina Pecequillo (Universidade Federal de São Paulo). A mesa teve como debatedor o Prof. Dr. Clodoaldo Bueno, do PPGRI San Tiago Dantas, que classificou a fala de todos os convidados como “brilhantes”. Confira abaixo a análise inovadora dos professores acerca do tema:

Uma década do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas
Publicado em 06/11/2013 às 00:20

Ao longo de 10 anos, professores e especialistas da Unesp, Unicamp e PUC-SP oferecem cursos de especialização, mestrado e doutorado em Relações Internacionais. O programa interinstitucional San Tiago Dantas tem 117 dissertações de mestrado.

Professores e estudantes do programa falam sobre o desenvolvimento do projeto interinstitucional em dois artigos:

Dez anos de 'San Tiago Dantas': muito a comemorar, de Camila Luís, Laís Thomaz e Suzeley K. Mathias

Dez anos do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas, Shiguenoli Miyamoto

 

Suzeley Mathias fala dos 10 anos do PPGRI San Tiago Dantas
Publicado em 05/11/2013 às 20:00

A coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas, professora Suzeley Mathias, faz um balanço dos 10 anos do programa. Ela também aponta sobre o futuro da parceria inter-institucional, entre Unesp, Unicamp e PUC-SP, que formam a Pós-Graduação.

Luis Fernando Ayerbe fala da divulgação da Relações Internacionais
Publicado em 05/11/2013 às 19:51

O professor Luis Fernando Ayerbe, da Unesp, e vinculado ao Programa San Tiago Dantas, fala da importância do Simpósio de Relações Internacionais e da necessidade de divulgação de estudos e pesquisas da área para um público mais amplo.

Veja também o site: Sem Diplomacia

Organização do Simpósio
Publicado em 05/11/2013 às 19:20

A doutoranda Lais Thomaz, membro da comissão organizadora do IV Simpósio San Tiago Dantas, fala da importância do evento para a comunidade científica e, sobretudo, para os estudantes.

Inicio dos trabalhos
Publicado em 05/11/2013 às 17:30

A quarta edição do Simpósio de Relações Internacionais San Tiago Dantas começou hoje, com a apresentação dos trabalhos dos grupos de pesquisa e extensão: Grupo de Economia Política Internacional do INCT-INEU (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Estudos sobre os Estados Unidos); IEEI (Instituto de Estudos Econômicos Internacionais); GEDES (Grupo de Estudos de Defesa e Segurança Internacional). O evento ocorre no salão do Anexo dos Congressistas, no Memorial da América Latina, na capital paulista.

 

Fique por dentro do IV Simpósio San Tiago Dantas
Publicado em 05/11/2013 às 16:30

O blog é feito por estudantes do Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas. O objetivo é o de divulgar o Simpósio, organizado pelos próprios alunos. Nesta quarta edição, o evento conta com a participação de professores das mais destacadas instituições da área, tanto do Brasil quanto do exterior, e terá a participação do Ministro da Defesa Celso Amorim, na conferência de encerramento.   O encontro é realizado no Salão do Anexo dos Congressistas, do Memorial da América Latina, em São Paulo, do dia 5 a 8 de novembro. Esse espaço trará fotos e textos das palestras e discussões, além de entrevistas com professores, especialistas e estudantes presentes. Veja a programação completa aqui.

Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Publicado em // às :
Unesp 2013 - Todos os direitos reservados